BIO!

Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Médicos e farmacêuticos receberam cartas a pedir que informem os doentes sobre o uso adequado. Programa Nacional de Combate às infecções criou listas para clínicos avaliarem se é mesmo preciso ou não receitar antibióticos!

A Autoridade Nacional do Medicamento enviou cartas aos médicos e aos farmacêuticos a pedir que informem os doentes sobre o risco de usarem antibióticos de forma desadequada e alerta para a necessidade de uma prescrição e dispensa responsável. A medida faz parte de uma campanha internacional relacionada com o Dia Europeu do Antibiótico, que se assinala hoje. E tem sido o uso excessivo destes medicamentos que tem levado ao surgimento de bactérias multirresistentes, responsáveis por mais de 700 mil mortes no mundo e que em 2013 estiveram associadas à morte de pelo menos 4.600 pessoas em Portugal.

Também o Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistência aos Antimicrobianos (PPCIRA), da Direção-Geral da Saúde, tem em marcha um programa de apoio à prescrição e enviou para todas as unidades de saúde kits com diretivas e listas de questões que os médicos devem fazer antes de receitar um antibiótico, de forma a avaliar se serão realmente necessários. Portugal conseguiu em 2014 reduzir o consumo de antibióticos, estando em 16.º entre 30 países europeus quando em 2012 era nono.

 

 "Portugal tem melhorado globalmente no consumo de antibióticos e estamos abaixo da média europeia. Mas continuamos longe dos melhores países (norte da Europa)", refere ao DN Carlos Palos, do PPCIRA, acrescentando que os dados do Eurobarómetro de abril sobre a resistência aos antibióticos mostravam uma redução do número de pessoas que tomou este tipo de medicamento nos últimos meses.

Porém, segundo dados do Infarmed enviados ao DN, o número de embalagens de antibióticos dispensados em 2015 aumentou 3,5% em relação a 2014, passando de "cerca de 7,7 milhões para cerca de 8 milhões". Já comparando o primeiro semestre deste ano com o período homologo de 2015, a tendência é de descida. "Entre o primeiro semestre de 2015 e o primeiro semestre de 2016 as embalagens de antibióticos diminuíram 3,4%, de 4,4 milhões para 4,3 milhões. Bragança e Beja foram os distritos com maior diminuição de embalagens de antibióticos dispensados" nesse período.

A carta do Infarmed lembra que "a resistência aos antibióticos está associada à intensidade e ao modo de utilização". E alerta para o risco da automedicação, disponibiliza um link com diálogos e mais informação para ajudar os médicos a resistir à pressão dos doentes e para a venda de antibióticos sem receita médica. Carlos Palos cita o Eurobarómetro: "Em Portugal 6% responderam que obtiveram antibiótico sem receita médica, uma diminuição de 2% em relação a 2013, mas muito acima da Suécia, com 2%". "Um dos grandes problemas é a informação. Cerca de 60% dos portugueses continuam a achar que os antibióticos servem para tratar vírus e cerca de 50% acham que tratam gripes e constipações. É muito acima da média europeia", aponta o especialista, que explica o que cada cidadão pode fazer para evitar resistências: "Não devem usar sobras de tratamentos anteriores, não partilhar com os vizinhos, tomar até ao fim, os restos devem ser entregues na farmácias e não deitados fora para não contaminar o ambiente e devem cozinhar bem os alimentos porque podem ter antibióticos ou bactérias resistentes".

Mas há indicações também para os médicos. "Dados internacionais referem que entre 30% a 50% dos antibióticos são indevidamente prescritos [não existem estudos sobre a realidade nacional]. Os hospitais e todas as unidades de saúde de ambulatório têm programas de apoio à prescrição de antibióticos que tem por objectivo melhor o modo de prescrição. Há uma equipa que verifica se o receitado está adequado ou não. Também passa muito pela formação dos médicos que tem permitido resultados espectaculares no país e a nível mundial. Assistimos a uma mudança de comportamento no uso de alguns antibióticos. Enviamos kits para todas as unidades de saúde com diretivas e check list com perguntas que o médico deve fazer antes de prescrever um antibiótico: se é mesmo uma infecção bacteriana ou pode ser viral, se precisa mesmo de antibiótico, de o doente esteve internado ou num lar, se há história de micro-organismos", exemplifica Carlos Palos, referindo que as perguntas variam de acordo se trate de um médico num hospital, num centro de saúde ou cuidados continuados.

Uso das opções mais recentes deixou países sem soluções

A ausência de novos tratamentos e o aumento das bactérias resistentes constitui já um grande risco para a saúde pública, o que levou a ONU a assinar este ano uma declaração para combater as infecções com bactérias multirresistentes. Mas porque existem tantas resistências e como se tornou este um grave problema de saúde? E que soluções existem para o futuro?

"As multirresistências têm causas multifatoriais. Há estudos feitos com gelo retirado das zonas polares em que se detectaram bactérias resistentes. Elas existem na natureza e com os antibióticos o que fizemos foi promover uma seleção natural. Cada vez que tomamos antibióticos há resistências que se criam. Com boas práticas de prescrição, receitar quando é necessário e tomar o tempo necessário reduzimos o risco de resistências", explica Carlos Palos, membro da comissão do Programa de Prevenção e Controlo de Infecções e Resistência aos Antimicrobianos.

O problema é que a prescrição e a toma - e até a automedicação - nem sempre foram as mais corretas. "Quando existe um antibiótico novo só deve ser usado quando todos os outros falharam. O que aconteceu é quando a indústria divulgava uma nova opção, dizendo que era a melhor, os médicos deixavam de dar os antibióticos mais simples e usavam os novos. Isso acabou com as reservas e foi um grande contributo para as resistências", refere, lembrando que não existem novas soluções no mercado. Há contudo várias moléculas em investigação e um esforço dos governos nacionais e organismos internacionais para repartir os custos com as farmacêuticas.

Há ainda dois outros aspectos que pesam muito nesta equação: "80% dos antibióticos usados a nível mundial são utilizados na agropecuária, o que é muito grave." Ou seja, a maior parte da carne consumida em Portugal, está contaminada com antibióticos.

 

Obs.:

Onde está a Ordem dos Médicos? Estará a dormir? Porque não publica ela frequentemente avisos sobre o perigo dos antibióticos? Porque não avisa a população?

 

Temas relacionados:

Antibióticos danificam o cérebro

Os antibióticos fazem engordar?

Bactérias cada vez mais resistentes a antibióticos ameaçam planeta

Intestinos: A relevância do bom funcionamento

O alho e os seus enormes benefícios

27 antibióticos naturais

Os antivida ( antibióticos ) têm os dias contados?

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates - Pai da Medicina

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos biológicos e com vitalidade = saúde !




1 comentário

De Josefina Pascoal a 25.11.2016 às 20:55

Ou seja os antibióticas em Portugal matam muito mais que os acidentes ferroviários, os automóveis e camiões, a canábis e o álcool. Porque não proibem essa trampa dos antibióticos? Ah é verdade, os antibióticos em Portugal são receitados pela máfia médica e dão a ganhar muito dinheiro à máfia da industria farmacêutica. Acertei?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



A farmácia é a natureza !


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sabedoria

"Aqueles que pensam que não têm tempo para cuidar de si e da sua alimentação, mais cedo ou mais tarde terão de encontrar tempo para a doença."

Publicidade: Desintoxicar


Mais sobre mim

foto do autor




Mensagens






Sabedoria ancestral

Paracelsus: "O que cura é o amor."


Atenção: Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

As informações contidas neste blogue não substitui de forma alguma a consulta de um profissional de saúde de sua confiança. Consulte sempre o seu profissional de saúde sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e bem-estar, bem como os seus tratamentos e outros. Embora sejam tomados cuidados para as informações contidas neste blogue estejam correctas, algumas informações nos artigos deste blogue podem conter erros dos mais variados aspectos, pelo qual este blogue não se responsabiliza de nenhuma forma. Somente uma visita física ao seu técnico de saúde lhe pode fornecer as informações e cuidados que melhor se adequam a si/vc. As informações contidas neste blogue não se destinam a serem usadas como um substituto ou aconselhamento profissional. Quaisquer dúvidas ou preocupações que você tenha sobre sua saúde devem ser discutidas com seu técnico de saúde. Por favor, note que a informação sobre a saúde está a mudar constantemente. Portanto, algumas informações podem estar desactualizadas. Os comentários publicados são da responsabilidade dos seus autores e dos leitores que dele fizerem uso. Os comentários não reflectem a opinião do blogue. Ao visitar este blogue você concorda com estes termos.

Partida de uma anjinha

Com saudade lembrando que ela fazia parte de EQUIPA. Paz a sua alma e espirito.