BIO!

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Toda a gente experimenta situações estressantes todos os dias, quer seja correr para o comboio, levar à pressa uma criança para a escola, ou tentar encaixar 25 horas de actividades num dia de 24 horas. O estresse, por si só, não é mau de todo. Em pequenas doses, alguns tipos de estresse podem ser divertidos, até mesmo benéficos, como o estresse que sente quando se esforça para encontrar um novo desafio físico ou mental (alpinismo ou resolver um problema no trabalho), ou adquirir uma competência nova (aprender a falar uma língua estrangeira ou operar um novo sistema de computador.) Mas o estresse crónico, implacável e indesejado é uma questão diferente. Este tipo de estresse pode ser tóxico para o cérebro e causar alterações fisiológicas que podem afectar profundamente o desempenho mental e acelerar a degeneração cerebral.

Imagem:sapo

 

Quando estamos sob qualquer tipo de estresse, o corpo produz corticosteróides, hormonas especiais que desencadeiam a antiga resposta de “luta ou fuga”, que herdamos dos nossos primeiros ancestrais humanos. Essas hormonas aceleram o corpo para a acção, de modo que possamos escapar de um predador ou caçar a nossa presa. Em condições ideais, a produção destas hormonas é desligada rapidamente, e os seus efeitos dissipam-se. As coisas nem sempre funcionam da maneira prevista. À medida que envelhecemos, é mais difícil o corpo livrar-se das hormonas do estresse. Como resultado, elas permanecem no organismo mais tempo do que a natureza pretendia. Se estiver sob estresse crónico − por exemplo, num processo de divórcio ou a trabalhar num ambiente de alta pressão − vai estar a produzir níveis elevados de corticosteróides que estão a bombardear as células do cérebro com essas poderosas substâncias químicas, durante longos períodos de tempo. Em altas doses, os corticosteróides podem danificar o cérebro. Em primeiro lugar, os corticosteróides podem promover a formação de radicais livres e inflamação. Por sua vez, isso irá danificar a unidade de produção de energia da célula cerebral − a mitocôndria − o que o vai deixar com menos energia para fazer funcionar o cérebro ou limpar os radicais livres. Isto irá acelerar a degeneração cerebral. Em segundo lugar, os corticosteróides são particularmente tóxicos para as células localizadas na área sensível do hipocampo, o centro de memória do cérebro. Na verdade, alguns cientistas acreditam que a perda de memória relacionada com a idade pode ser o resultado de uma vida inteira de exposição às hormonas do estresse. Em terceiro lugar, a exposição crónica às hormonas do estresse pode perturbar a produção de neurotransmissores no cérebro, tais como serotonina, acetilcolina e dopamina, os quais podem afectar o humor, a função cognitiva, ou ambos. Demasiado estresse pode torná-lo deprimido, irritado e esquecido. Quando está estressado, é muito difícil convocar a energia mental necessária para aprender novo material, concentrar-se em projectos, ou permanecer focado na tarefa. E quando o desempenho não está ao nível das suas expectativas, fica ainda mais estressado.

 

As hormonas do estresse também produzem alterações bioquímicas específicas e mensuráveis no corpo, que aumentam o risco de envelhecimento cerebral e doenças neurológicas. Por exemplo, o estresse pode aumentar os níveis de homocisteína, um aminoácido produzido naturalmente pelo corpo. Isso não é uma coisa boa: a homocisteína elevada pode prejudicar o desempenho mental, bem como aumentar o risco da doença de Alzheimer e derrame cerebral. Todas as vezes que está exposto ao estresse, os níveis de homocisteína sobem. Um estudo com mulheres de meia-idade, realizado na Universidade Estadual de Ohio, descobriu que breves períodos de estresse aumentaram os seus níveis de homocisteína de 5,8 para 6,2 micromoles por litro, em média. (Menos de 9 micromoles por litro é considerado normal). Embora este aumento não tenha impulsionado a homocisteína para níveis insalubres nestas mulheres, tal poderia acontecer em pessoas que partem de níveis iniciais mais elevados. Além disso, este estudo investigou o impacto de um evento estressante, não o efeito do estresse crónico e implacável que é vivido por muitas pessoas.

 

Temas relacionados:

Já sabia da importância de caminhar descalço?

5G: O perigo bem real que o espreita em sua casa

A Meditação Transcendental e seus benefícios

Insónia: Quem toma soníferos não sabe e seu médico não avisa

Receita milenar: Lava-pés com sal e vinagre

Super-alimento: Pólen de abelha

Bebida para relaxar, desestressar e reduzir a TPM

Prebióticos e probióticos: Tantos benefícios

Estar no meio da natureza cura-nos

Meditação: Benefícios e pequeno exercício

Benefícios ao andar de bicicleta

 

Fonte:

São como um pêro

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates - Pai da Medicina

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos biológicos e com vitalidade = saúde !





A farmácia é a natureza !


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sabedoria

"Aqueles que pensam que não têm tempo para cuidar de si e da sua alimentação, mais cedo ou mais tarde terão de encontrar tempo para a doença."

Publicidade: Desintoxicar


Mais sobre mim

foto do autor




Mensagens




Sondagem

Confia na ciência-médica?
 
pollcode.com free polls


Sabedoria ancestral

Paracelsus: "O que cura é o amor."


Atenção: Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

As informações contidas neste blogue não substitui de forma alguma a consulta de um profissional de saúde de sua confiança. Consulte sempre o seu profissional de saúde sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e bem-estar, bem como os seus tratamentos e outros. Embora sejam tomados cuidados para as informações contidas neste blogue estejam correctas, algumas informações nos artigos deste blogue podem conter erros dos mais variados aspectos, pelo qual este blogue não se responsabiliza de nenhuma forma. Somente uma visita física ao seu técnico de saúde lhe pode fornecer as informações e cuidados que melhor se adequam a si/vc. As informações contidas neste blogue não se destinam a serem usadas como um substituto ou aconselhamento profissional. Quaisquer dúvidas ou preocupações que você tenha sobre sua saúde devem ser discutidas com seu técnico de saúde. Por favor, note que a informação sobre a saúde está a mudar constantemente. Portanto, algumas informações podem estar desactualizadas. Os comentários publicados são da responsabilidade dos seus autores e dos leitores que dele fizerem uso. Os comentários não reflectem a opinião do blogue. Ao visitar este blogue você concorda com estes termos.

BPT