BIO!

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 "Atos avulsos em lei avulsa"

A Proposta de Lei 34/XIII para definir e regular os "atos do biólogo, do enfermeiro, do farmacêutico, do médico, do médico dentista, do nutricionista e do psicólogo” é das piores saídas deste Governo.

Era sensato a Ordem (OM) ter isto sempre presente na sua actuação.

 

 

A Proposta de Lei nº 34/XIII que “procede à definição e à regulação dos actos do biólogo, do enfermeiro, do farmacêutico, do médico, do médico dentista, do nutricionista e do psicólogo”, apresentada no dia 19 de outubro na Assembleia da República, é uma das piores leis que o actual Governo concebeu. Parece inócua, mas não é. Terá efeitos devastadores na coesão do SNS e na sua capacidade de contratar profissionais, no multitasking e no task sharing. Enquista as profissões, na medida em que tende a isolar as corporações e explicitamente impele à construção de guetos e impede partilhas de responsabilidades. Assentará num sistema, jurídica e profissionalmente complexo, de delegações de competências. É retrógrada. Baseia-se em conceitos de prestação de cuidados e de intervenções na Saúde que é contrária à moderna Saúde Pública. Não acrescenta nada à jurisprudência e ao entendimento já existente sobre o que cada profissional deve e pode fazer. É proteccionista e até poderá violar directivas comunitárias sobre livre circulação de profissionais que queiram vir para Portugal, devidamente habilitados e que, chegados a Portugal, talvez não possam cá fazer o que poderia ser feito noutros Países da UE. A Lei tem definições de actos, muito limitantes nuns casos e demasiado abrangentes noutros, o que vai gerar focos, mais uns, de conflitualidade entre médicos e outros profissionais.

Há profissões de Saúde que ficam de fora, sem Ato, porque a opção foi tipificar os Atos das profissões que têm Ordem. Ora, essas são as que já têm a sua função definida nos Estatutos da Ordens e nem precisariam de mais legislação. Há leis e jurisprudência suficiente. Os tribunais sabem o que é exercício ilegal da Medicina, conseguem distinguir um Enfermeiro e entendem bem o que é um Farmacêutico, um Psicólogo ou um Nutricionista.

Há aspectos particularmente graves, tais como colocar fora da Lei, numa interpretação estrita do articulado proposto, os técnicos de meios complementares de diagnóstico e terapêutica que são licenciados vitais para o funcionamento do sistema de saúde. Os Fisioterapeutas, para só falar de um caso bem conhecido da população, ficam em que situação? Mesmo sem considerar os profissionais das terapêuticas não convencionais, cujo regime está tipificado em Lei que não os confunde com mais ninguém, tal como os Podologistas, ainda há o caso dos Técnicos de Ambulância e de Emergência, legalmente considerados como profissionais de Saúde, cujas competências, estruturadas em Decreto-Lei, passaram a ser inaceitáveis em face da Proposta de Lei agora apresentada. Em boa verdade, num entendimento abrangente, os Bombeiros e até os transeuntes que saibam e possam efectuar manobras de reanimação ficarão em risco de violar a Lei. E os cuidadores informais, a quem o Governo quer dar estatuto, farão cuidados sob delegação de quem? E todos os outros intervenientes na saúde humana, tais como os da área do ambiente, bioquímicos, etc.? E desde quando é que um Médico Veterinário não poderá ter competências de biólogo ou capacidade de decisão sobre alimentação humana?

Há muito que a Ordem dos Médicos exigia que o Ato Médico, previsto em legislação do SNS, fosse determinado em Lei que o regulamentasse. Tal nunca aconteceu, ponderados os argumentos, precisamente porque sempre existiu o entendimento de que a criação de barreiras ao exercício de outros profissionais de saúde, por via da Lei do Ato Médico, seria contraproducente para o sistema de saúde. O “novo” Ministério da Saúde, para não parecer que cedia aos médicos, inventou uma Lei de Actos Múltiplos, socialisticamente salomónica, enviou o diploma para AR e deu o assunto por concluído. Afinal, onde está a bondade da Lei? A contradição entre o preâmbulo da Proposta, onde se lê que haverá vontade em apostar nos “novos modelos de cooperação entre profissionais de saúde, no que respeita à repartição de competências e responsabilidades”, e o corpo do articulado é flagrante. Se a ideia era “enquadrar juridicamente os diferentes atos profissionais na perspetiva da salvaguarda dos superiores interesses dos utentes”, teria sido difícil imaginar Lei pior. O cinismo chega ao ponto de escreverem a intenção de promover o “conceito de equipas multidisciplinares em saúde e modelos de cooperação entre os vários profissionais de saúde, designadamente os biólogos, os enfermeiros, os farmacêuticos, os médicos, os médicos dentistas, os nutricionistas e os psicólogos, e outros profissionais de saúde como os técnicos de diagnóstico e terapêutica”, os tais a quem Lei pretende excluir.

Em tempos idos, o Presidente Jorge Sampaio, avisadamente, bloqueou uma intenção legislativa, limitada ao Ato Médico, de um Governo do seu tempo. Percebeu o que estava em jogo e, na altura, fez bem. Alguns médicos não gostaram. Compreende-se. A maioria nem quis saber. Não tem sido por falta de Actos que as profissões não têm sido exercidas, os utentes atendidos ou os doentes tratados. Nem será por agora termos mais uma regulamentação que os recursos humanos em falta serão mais rapidamente repostos. Vamos é ouvir, com frequência crescente, “faça você que eu não posso. A lei não deixa”.

Para já, esta Proposta é apenas um texto demagógico, sem eficácia prática que não seja a de satisfazer clientelas e dar “coisas” que não custam dinheiro. Em suma, é mais uma Lei que o Governo agora propõe porque, na falta de substancialidade reformista, enche notícias com coisas inúteis mas vistosas. O mais importante, as carreiras, que já foram publicadas, em 2015, no Boletim do Trabalho e Emprego, ficarão para um dia de socialísticio, mais uma alvorada histórica, sem dívidas e dinheiro a rodos.

Obs.:

Esta Ordem e seus bastonários deviam ocupar-se do essencial, nomeadamente "primum no nocere", já dizia Hipócrates, e significa "acima de tudo não prejudicar". Actualmente a Ordem parece andar muito longe desta premissa.

Mais, esta Ordem parece que cada vez mais se quer apoderar das "Terapêuticas não Convencionais" (TNC). Mas afinal o que quer essa Ordem convencional?

 

Fontes:

Ex-ministro da Saúde Fernando Leal da Costa

Observador

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates - Pai da Medicina

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos biológicos e com vitalidade = saúde !




4 comentários

De belisa a 01.11.2016 às 20:52

Como de costume, poder é poder, e a OM não cede um mílimetro no seu poder autocrático

De António a 02.11.2016 às 14:57

A ordem dos mafiosos médicos está-se nas tintas prós doentes, eles querem é alimentar os parasitas da sua clientela e obedecer às farmacêuticas vendendo todo o tipo de drogas com efeitos secundários e se for preciso vendem a própria avózinha. Cambada de proxenetas.

De Ricardo A. Nunes a 02.11.2016 às 20:26

Quem não conhecer o falsário do José Silva da Ordem que o compre. A medicina convencional na minha casa não entra mais, já deu provas suficientes do fiasco que ela e sua Ordem representam, uma charlatanice.
Tenho três tios numa cadeira de rodas, acamadose sem visão devido a grandes erros médicos.
A minha mulher se não a tenho levado à Medicina Alternativa, ainda hoje estaria com psoaríase e esclerose múltipla e sem poder andar, sem mencionar ainda uma enorme depressão. Andou 12 meses a tratar-se na Medicina Alternativa e hoje é graças a ela que a minha mulher voltou a sorrir e a sair de casa. Sofreu a tortura ao longo de 9 anos de médico em médico, de hospital em hospital de psiquiatra em psiquiatra, medicamentos da treta que só fizeram com que ela engordasse quase 80 Kg.
A ordem do médicos da treta que vão mas é pastar para o Samouco de onde nunca deviam ter saído. Uma coisa é certa, de medicina não pescam um chavo.

De Fonseca a 30.11.2016 às 19:22

Desde setembro, há regras mais apertadas sobre as ofertas que os médicos podem aceitar. A Ordem dos Médicos, Apifarma e Associação dos Médicos Portugueses da Indústria Farmacêutica assinaram um protocolo de relacionamento ético. "Jantares de Natal, ou outros de semelhante teor festivo, não se enquadram no referido protocolo, pelo que não devem ser objeto de qualquer tipo de pedido ou oferta de patrocínio por parte da indústria farmacêutica", esclarece o organismo.

O protocolo determina que os apoios concedidos a médicos no âmbito de eventos científicos, como por exemplo congressos, devem restringir-se a "viagens, refeições, alojamento e custos de inscrição". O regulamento prevê ainda que os médicos viagem no máximo na véspera do evento e regressem até ao dia seguinte do fim do mesmo.

O valor das refeições oferecidas aos clínicos também está fixado: não poderá ser superior a 60 euros em eventos nacionais e a 90 euros em eventos internacionais.

Já no que toca a ofertas, estão não podem exceder os 25 euros e devem estar relacionadas com medicamentos não sujeitos a receita médica.
Os médicos até à pouco tempo tinham vaigens pagas para si e seus familiares, cozinhas, eletrodomésticos, hoteis e outras regalias pagas pelos produtores de drogas farmacêuticas. Por isso temos as farmácias das mais caras da Europa.

Comentar post



A farmácia é a natureza !


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sabedoria

"Aqueles que pensam que não têm tempo para cuidar de si e da sua alimentação, mais cedo ou mais tarde terão de encontrar tempo para a doença."

Publicidade: Desintoxicar


Mais sobre mim

foto do autor




Mensagens






Sabedoria ancestral

Paracelsus: "O que cura é o amor."


Atenção: Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

As informações contidas neste blogue não substitui de forma alguma a consulta de um profissional de saúde de sua confiança. Consulte sempre o seu profissional de saúde sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e bem-estar, bem como os seus tratamentos e outros. Embora sejam tomados cuidados para as informações contidas neste blogue estejam correctas, algumas informações nos artigos deste blogue podem conter erros dos mais variados aspectos, pelo qual este blogue não se responsabiliza de nenhuma forma. Somente uma visita física ao seu técnico de saúde lhe pode fornecer as informações e cuidados que melhor se adequam a si/vc. As informações contidas neste blogue não se destinam a serem usadas como um substituto ou aconselhamento profissional. Quaisquer dúvidas ou preocupações que você tenha sobre sua saúde devem ser discutidas com seu técnico de saúde. Por favor, note que a informação sobre a saúde está a mudar constantemente. Portanto, algumas informações podem estar desactualizadas. Os comentários publicados são da responsabilidade dos seus autores e dos leitores que dele fizerem uso. Os comentários não reflectem a opinião do blogue. Ao visitar este blogue você concorda com estes termos.

BPT


Partida de uma anjinha

Com saudade lembrando que ela fazia parte de EQUIPA. Paz a sua alma e espirito.