Publicidade: Conhece o LIV 52 para o figado?

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Álcool: Factos

30.04.16

Para muitos, uma taça de vinho no jantar não faz mal. Mas já em pequena quantidade, a bebida começa a agir sobre o cérebro: há distorção na percepção, a capacidade de discernimento é perturbada, a concentração diminui.

O espumante é uma bebida saborosa, levanta o humor e talvez faça alguém ficar mais relaxado e eloquente – o álcool contido nela atua sobre o cérebro e sobre o corpo. Primeiramente, da mucosa oral, ele chega até o intestino delgado. Ali ele é absorvido e, através do sistema sanguíneo, é levado ao fígado.

"Esta é a primeira estação importante. Esse órgão dispõe de enzimas que podem metabolizar o álcool", explica Helmut K. Seitz, pesquisador da Universidade de Heidelberg.

O fígado transporta toxinas para fora do corpo. E o álcool é uma delas. Na primeira passagem através do fígado, o álcool não é eliminado completamente. Uma parte consegue sair novamente e passar para outros órgãos.

"Isso se aplica, por exemplo, ao pâncreas, músculos, ossos e leva às correspondentes alterações", diz Seitz, lembrando que o álcool pode agravar ou até mesmo causar mais de 200 doenças.

O que acontece no cérebro?

O excesso de álcool no corpo afeta principalmente o cérebro: há uma distorção da percepção, a capacidade de discernimento é perturbada, a concentração diminui. Ao mesmo tempo, reduz a timidez. Talvez surja um agradável sentimento de despreocupação.

No entanto, a ingestão de grandes quantidades pode levar a estados de delírio e até à inconsciência. Depressões e agressões ficam mais fortes. A triste consequência: em todo o mundo, aumenta o abuso de álcool, como também os acidentes e a violência sob a influência da bebida. Por volta de 3,3 milhões de pessoas morrem anualmente por sua causa.

Quando o álcool circula pelo corpo, ele também atinge o cérebro. Ele precisa de cerca de seis minutos para chegar lá. "A molécula de álcool etanol é pequena. Ela se encontra no sangue, em todas as partes aquosas, ela é solúvel em água. O corpo humano é composto de 70% a 80% de água, o álcool se distribui por aí e passa para o cérebro", diz o pesquisador.

O álcool afeta os chamados neurotransmissores. Trata-se de substâncias que são transmitidas para as terminações nervosas no sistema nervoso central. Sob a influência de bebidas alcoólica, há falha ou alteração na transmissão.

Helmut K. Seitz, da Universidade de Heidelberg, é renomado pesquisador do álcool

Assim, podem ocorrer danos agudos. Se a situação é crônica, ou seja, por meio do consumo regular ou até mesmo ao longo de décadas, as respectivas lesões são ainda maiores:

"Acontecem distúrbios em vitaminas e microminerais, que desempenham um papel importante no sistema nervoso central. No nosso cérebro, por exemplo, precisamos urgentemente de vitamina B1. A falta dela pode levar à Síndrome de Wernicke-Korsakoff", adverte Seitz.

A Síndrome de Wernicke-Korsakoff é uma doença do sistema nervoso central. Através do alcoolismo, há uma falta de vitaminas, e isso resulta, por sua vez, em doenças. O abuso do álcool pode levar à demência.

O que acontece no corpo?

Na boca e na faringe, o álcool afeta as membranas mucosas, por exemplo, no esôfago, que não pode mais proteger o corpo de substâncias tóxicas. Responsável por reduzir as toxinas, o fígado, no entanto, está ocupado inicialmente em eliminar o álcool. Outras substâncias nocivas não são sequer consideradas.

Segundo Seitz, isso pode ter consequências significativas, como pancreatite aguda. "Pense em tipos de câncer, tumores da cavidade oral, faringe, laringe, esôfago, mas também cancro/câncer de fígado ou de mama. Muitas vezes se esquece que o álcool é um fator de risco para o cancro de mama em mulheres e também para o cancro de cólon."

Em primeiro lugar, no entanto, está o perigo da cirrose hepática. Quando o álcool é eliminado pelo fígado, ao mesmo tempo, ali surgem produtos tóxicos que danificam as células do fígado. Anualmente, cerca de 30 mil pessoas morrem somente no Brasil vítimas de cirrose. Em Portugal os números exactos são desconhecidos.

"O álcool é metabolizado no fígado, então se acha que o veneno tenha ido embora. Mas existe um produto de degradação, quase um produto intermediário. Trata-se do acetaldeído, uma substância que reage na menor ocasião, de grande poder de destruição e que pode provocar até mesmo danos hereditários." Seitz aponta que isso é um temido produto da metabolização do álcool e uma substância cancerígena.

 

"A dose faz o veneno"

Os adultos brasileiros bebem, em média, 8,7 litros de álcool puro por ano. Na Alemanha, são consumidos 11,8 litros per capita – isso corresponde a 500 garrafas de cerveja por pessoa. No Reino Unido e na Eslovênia, essa cifra é ligeiramente menor: 11,6 litros. Na Irlanda e em Luxemburgo, por sua vez, bebe-se um pouco mais que os alemães – 11,9 litros em média.

Esse é o resultado de um estudo da Organização Mundial de Saúde. Na pesquisa, Belarus assume um questionável primeiro lugar. Ali, cada um dos bielorrussos bebe em média 17,5 litros de álcool puro a cada ano. Os últimos lugares do ranking são ocupados por países como Paquistão, Kuwait, Líbia e Mauritânia, com uma média anual de 0,1 litro per capita. Em alguns países asiáticos, prevalece uma situação bem diferente.

Em cerca de 40% dos japoneses, coreanos e chineses falta uma enzima que decompõe o acetaldeído. Este é um pré-requisito importante para a eliminação do álcool no corpo. "O álcool é convertido em acetaldeído e este, por sua vez, em ácido acético. Quando o acetaldeído não pode ser convertido em ácido acético, ele se acumula", explica Seitz.

Devido a essa pré-disposição genética, muitos asiáticos não conseguem metabolizar o álcool. "Isso pode levar a dores de cabeça, náuseas, vômitos, tremores, vermelhidão no rosto", explica o especialista de Heidelberg. Ele disse ter alguns amigos do Japão que são afetados pela falta da enzima. "Mesmo assim, eles bebem álcool e, em seguida, têm de vomitar." 10% deles não podem beber nenhum álcool, porque eles realmente se sentem mal.

O pesquisador afirma, no entanto, que o álcool tem um lado bom, mesmo que seja o único: "Ele tem um efeito favorável sobre a aterosclerose, sobre o endurecimento das artérias. Se você está mais velho e tem risco de sofrer ataque cardíaco, ou até mesmo já teve um infarto, provavelmente um copo de vinho à noite não é ruim, mas não mais que isso".

Algo já conhecido por Paracelso. Já no século 16, o médico e teólogo pregava: "Todas as substâncias são veneno, não há nada sem veneno, só a dose faz que uma coisa se torne veneno." Ou seja, como em tantos outros casos: tudo depende da quantidade.

 

7 Factos e 1 mito:

 1. Me engana que eu gosto

Há décadas a ciência vinha oferecendo perspectivas reconfortantes aos amigos do copo: álcool em quantidades moderadas – um ou dois copos de vinho por dia, por exemplo – faz bem à saúde e até prolonga a vida, dizem. Infelizmente, tal bonança acabou: entre outras revelações, o mais recente relatório do "British Medical Journal" traz um convite à revisão radical dos hábitos etílicos.

 

2. Facto: Os europeus bebem mais do que os outros
Consumindo 11,8 e 11,6 litros de álcool puro por ano, respectivamente, os alemães e os britânicos ocupam uma posição mediana entre os grandes bebedores – ao contrário do que se poderia imaginar. Porém, no geral, está comprovado que os nativos do Velho Continente tendem a se embriagar mais do que os da América do Norte ou da Ásia.

3. Facto: Olhos puxados e álcool não combinam

Ou, em termos um tanto mais científicos: grupos étnicos como os asiáticos dispõem de quantidades menores das enzimas que metabolizam o álcool. É uma questão de genética. Talvez por isso o turista japonês da foto, flagrado na Oktoberfest de Munique, já pareça estar antecipando a ressaca.

 4. Facto: Beber álcoól não é coisa para mulher

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as mulheres bebem menos da metade do álcool que os homens. Não é uma questão de machismo, é um mero facto fisiológico. Entre os fatores em jogo estão a diferença de tamanho e a composição do corpo feminino, cujo maior teor de gordura tende a concentrar o álcool. Já os homens apresentam mais água no corpo, o que favorece a difusão da substância.

 5. Facto: A prosperidade faz o beberrão/bêbado

Nos países em desenvolvimento, como a China e a Índia, o consumo alcoólico está em alta. Homens e mulheres da classe média em expansão têm agora meios para adquirir boas bebidas importadas, como cerveja alemã ou vinho francês. Ou fazer como as jovens indianas da foto: viajar até a Oktoberfest de Munique para provar a típica cerveja bávara.

 

6. Facto: Embriaguez é também questão religiosa
O menor consumo do mundo é registrado no Norte da África e no Oriente Médio. No Paquistão, Kuwait, Líbia e Mauritânia, só se ingere 0,1 litro de álcool puro por ano. É que, para a religião muçulmana, essa substância é "haram" – impura, e, portanto, proibida para os fiéis. Nesses países, a bebida mais popular é o chá.

 

7. Facto: Álcool mata, mesmo
E agora é que a coisa começa a ficar sem graça. A OMS alerta: o consumo etílico está relacionado a mais de 200 enfermidades e condições crônicas. Essa lista, que inclui o cancro/câncer e a cirrose, mata 3,3 milhões de amigos do copo por ano – o equivalente a cerca de 6% do número global de óbitos. 

8.  O mito: Um copo de vinho ao dia prolonga a vida

Errado. O relatório do "British Medical Journal" aponta falhas técnicas nos estudos anteriores que aconselhavam o consumo alcoólico moderado. Como eles não distinguiam entre não bebedores e os menos saudáveis ex-bebedores, os antigos cálculos não são confiáveis. Portanto, a forma mais saudável de beber, é mesmo não beber uma só gota.

 A solução?

Para quem acredita cem por cento nos pesquisadores britânicos e quer ter vida longa a todo custo, só resta seguir o exemplo do Paquistão. Como mostra a foto, a república islâmica destrói regularmente, em massa, as garrafas que apreende, contrabandeadas de sua vizinha, a emergente e cada vez mais alcoólica Índia. Algum candidato a adotar solução tão radical? Quem sabe em 2016?

 

Fontes:

dw

prawda-tv

kopp-verlag

zentrum der gesundheit

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos biológicos e com vitalidade = saúde !

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates

Publicidade: Floradix



1 comentário

De Mira Amaral a 01.05.2016 às 08:15

Este país onde desde cedo se bebe alcoól, passando pelos jovens dos liceus e das faculadades que bebem nas queimas das fitas até cairem em coma alcoólico, não é de espantar que Portugal é um país que se consome alcoól em doses exageradas. Se querem cerveja e vinho que ao menos seja sem alcoól.

Comentar post



A farmácia é a natureza !


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sabedoria

"Aqueles que pensam que não têm tempo para cuidar de si e da sua alimentação, mais cedo ou mais tarde terão de encontrar tempo para a doença."

Publicidade: Desintoxicar


Mensagens


Mais sobre mim

foto do autor








Sabedoria ancestral

Paracelsus: "O que cura é o amor."

Atenção: Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

As informações contidas neste blogue não substitui de forma alguma a consulta de um profissional de saúde de sua confiança. Consulte sempre o seu profissional de saúde sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e bem-estar, bem como os seus tratamentos e outros. Embora sejam tomados cuidados para as informações contidas neste blogue estejam correctas, algumas informações nos artigos deste blogue podem conter erros dos mais variados aspectos, pelo qual este blogue não se responsabiliza de nenhuma forma. Somente uma visita física ao seu técnico de saúde lhe pode fornecer as informações e cuidados que melhor se adequam a si/vc. As informações contidas neste blogue não se destinam a serem usadas como um substituto ou aconselhamento profissional. Quaisquer dúvidas ou preocupações que você tenha sobre sua saúde devem ser discutidas com seu técnico de saúde. Por favor, note que a informação sobre a saúde está a mudar constantemente. Portanto, algumas informações podem estar desactualizadas. Os comentários publicados são da responsabilidade dos seus autores e dos leitores que dele fizerem uso. Os comentários não reflectem a opinião do blogue. Ao visitar este blogue você concorda com estes termos.


BPT