Publicidade: Quase toda a mulher sofre de anemia! Se sente cansada, tome Floradix com ferro

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Ordens profissionais: ambiguidade e influência

No âmbito da sociologia das profissões é comum dizer-se que a profissionalização de uma ocupação, ou seja, o fechamento do mercado de trabalho por um grupo de indivíduos com um saber exclusivo, complexo e de grande impacto na vida das pessoas (como acontece com o saber médico ou jurídico) passa por diversas etapas. A etapa culminante desse processo é a delegação pelo Estado da função de regulação profissional no próprio grupo. Entende-se que o Estado não consegue assegurar o bom desempenho de uma actividade com tais características pelo que se impõe um controlo pelos pares. Assim surgem em Portugal as “ordens profissionais”, ou numa acepção jurídica as “associações profissionais de direito público” que integram a administração autónoma do Estado (conforme a tese de doutoramento de Vital Moreira, 1997).

Portugal pertence por esse via a um padrão de auto-regulação profissional predominante na Europa continental e do sul (sobre os vários padrões leia-se a obra de Moran e Wood de 1993), mas também existente por exemplo no Canadá e no Brasil. Neste padrão, as organizações profissionais com poder de auto-regulação caracterizam-se por uma ambiguidade de funções. Se, por um lado, são criadas para serem entidades reguladoras, com o intuito de proceder à vigilância deontológica dos profissionais, por outro lado, ao assumirem a forma associativa e reunirem como sócios todos os profissionais, tornam-se associações extremamente representativas e grupos de pressão.

Ora, tendo as, como parte do Estado que são, muitos dos seus dirigentes intervêm na esfera pública exercendo influência e constituindo, não raras vezes, um obstáculo à emancipação de outros grupos ocupacionais quando não mesmo à concepção e implementação de políticas públicas. Lembremo-nos por exemplo do caso de uma ordem profissional que há alguns anos não reconhecia licenciados de cursos homologados pelo Ministério da Educação.


A visibilidade mediática de que gozam algumas das nossas ordens profissionais é notória. Essa visibilidade é em parte responsável pela crescente ambição de grupos ocupacionais a este estatuto de auto-regulação (veja-se o livro coordenado por João Freire em 2002 sobre associações profissionais). O facto de as ordens gozarem de prestígio social e, pelo contrário, as associações profissionais de direito privado (e de resto também as associações de utentes, por exemplo) nem sequer serem por lei necessariamente consultadas pelos poderes públicos, tem levado a que muitos grupos ocupacionais ambicionem a criação de uma ordem.

 

"Tem-se permitido que o Estado, sob a forma de ordens profissionais, não cumpra o seu papel de defesa do interesse do utente e haja abuso de poder."

Com efeito, alguns bastonários não hesitam em assumir uma posição pública pessoal - justa ou não na sua essência não é o que cumpre aqui discutir – abusando da sua posição de poder.  O que é específico da sua missão é apenas, e não é pouco, zelar pelo interesse de todos os utentes.

A verdade é que acabamos por recorrer mais depressa aos tribunais ou à comunicação social para reclamarmos de um mau serviço profissional do que à ordem profissional que foi criada para zelar pelos nossos interesses. As ordens parecem continuar a entender, por exemplo, que a divulgação de sanções é má publicidade, mas como vão os utentes saber que elas podem usá-las? 

 

Nota:

Quando é que finalmente a ordem dos médicos vai estar do lado dos utentes? Até agora temos visto atitudes por parte da OM que lesa os interesses dos utentes, como p.ex. o acto médico, o ato de saúde, estar contra a isenção de IVA das Medicinas Alternativas lesando desse modo os utentes quem a elas recorre, luta pelo poder sobre as Medicinas Alternativas!

Recebo quase todos os dias queixas sobre os médicos convencionais e sua OM em Portugal, sinal inequívoco de que algo vai mal na qualidade da prestação do serviço aos utentes.

 

Temas relacionados:

Quantos morrem em Portugal devido a erros médicos?

Confia no seu médico convencional?

Ato de saúde/médico da ordem dos médicos visa prejudicar mais uma vez os doentes?

Médica escreveu livro: A máfia médica (Vídeos)

Como impedir o seu médico de o matar

Médicos assinam atestados médicos em branco

Relação médico/enfermeiro com o doente é cada vez mais impessoal

DGS + Infarmed: Antibióticos, um risco para a saúde

Sucessivos erros médicos: Bebé morre em hospital

Quando medicina e indústria farmacêutica preferem as doenças

OM (Ordem dos Médicos): Contra a isenção de IVA nas medicinas não convencionais?

A promiscuidade entre médicos e seguradoras

Qual o estado do sistema de "saúde" em Portugal ?

DR: Terapêuticas Não Convencionais isentas de IVA, apesar da oposição de médicos

 

Fonte:

Raquel Rego

Jornal Público

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos biológicos e com vitalidade = saúde !

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates

Países latinos livres de vacinas, de rastos químicos e de pesticidas!

Paracelsus: "O que cura é o amor."


A farmácia é a natureza !


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sabedoria

"Aqueles que pensam que não têm tempo para cuidar de si e da sua alimentação, mais cedo ou mais tarde terão de encontrar tempo para a doença."

Mais sobre mim

foto do autor


Sondagem

Confia nos hospitais?
 
pollcode.com free polls





Mensagens



Biológico, claro!



Nota:

Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

Sabedoria ancestral

Paracelsus: "O que cura é o amor."

fb