Publicidade: Quase toda a mulher sofre de anemia! Se sente cansada, tome Floradix com ferro

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Certas cepas probióticas podem mitigar o início da intolerância ao glúten em crianças, revelou um novo estudo.

Para realizar o estudo, uma equipa de pesquisadores da Universidade de Lund na Suécia examinou 78 crianças que exibiam uma predisposição genética à doença celíaca. 40 crianças receberam uma combinação das cepas probióticas Lactobacillus plantarum Heal 9 e Lactobacillus paracasei 8700:2 diariamente, as quais foram fornecidas pela Probi AB. As outras 38 crianças receberam um placebo de maltodextrina.

Imagem: Planet-Wissen

 

O estudo revelou que as cepas probióticas foram capazes de suprimir a auto-imunidade celíaca e potencialmente atrasar o aparecimento da doença. A equipe de pesquisa também descobriu que os autoanticorpos de transglutaminase tecidual (tTGA), um marcador da doença celíaca, diminuíram significativamente no grupo de tratamento. Em contraste, as crianças no grupo placebo mostraram um aumento nos níveis de tTGA.

Os cientistas concluíram que as cepas probióticas podem inibir o início da doença celíaca em crianças que estavam geneticamente predispostas a desenvolver a doença. As descobertas indicam uma possível aplicação preventiva de probióticos contra a doença, acrescentaram os pesquisadores.

“Para o nosso conhecimento, esta é a primeira vez que um estudo probiótico foi realizado nesta população específica e os resultados mostram propriedades de apoio imunológico desses probióticos, bem como um potencial efeito preventivo sobre o desenvolvimento da doença celíaca“, disse o principal pesquisador Daniel Agardh.

“Este é um excelente exemplo de uma colaboração bem trabalhada entre a academia e a indústria. Vemos um interesse crescente pelos probióticos nas crianças e esses resultados permitem que a Probi construa uma plataforma de produtos para crianças“, acrescentou o CEO da Probi, Peter Nählstedt.

As descobertas foram apenas as mais recentes em uma série de estudos que ligam o uso de probióticos e os marcadores melhorados da doença celíaca.

De facto, um estudo realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Tampere na Finlândia mostrou que as cepas probióticas vivas de Lactobacillus fermentum e Bifidobacterium lactis foram capazes de mitigar a resposta inflamatória em células intestinais sensíveis. Ambas as cepas também conseguiram inibir o desenvolvimento de irregularidades da membrana.

O B. lactis inibiu o aumento induzido por gliadina dependente da dose na permeabilidade epitelial, concentrações mais elevadas abolindo completamente a diminuição induzida por gliadina na resistência transepitelial. Concluímos, portanto, que a bactéria viva de B. lactis pode contrariar directamente os efeitos nocivos exercidos pela gliadina tóxica celíaca e garante claramente novos estudos de seu potencial como um novo suplemento dietético no tratamento da doença celíaca“, escreveram os pesquisadores.

Em uma revisão do estudo, especialistas em saúde concluíram que “a inclusão de probióticos parece ser capaz de reduzir o dano causado pela ingestão de alimentos contaminados com glúten e pode até acelerar a cicatrização da mucosa após o início de uma dieta sem glúten“.

 

Planet-Wissen afirma que as alergias e o nível de colesterol diminuem com a probiótica. No entanto para se obter este efeito há que regularmente introduzir os probióticos no organismo.

Imagem: dixo

Além disso, um pequeno estudo realizado por cientistas da Universidade de Buenos Aires na Argentina demonstrou que tomar suplementos probióticos ajudam a aliviar outros sintomas da doença celíaca.

Como parte do estudo, os especialistas em saúde examinaram 22 adultos com doença celíaca. Um grupo recebeu uma cápsula contendo o probiótico Bifidobacterium infantis, enquanto outro grupo recebeu uma pílula placebo.

Os resultados revelaram que os voluntários que tomaram os suplementos probióticos apresentaram reduções acentuadas na indigestão, constipação e outros sintomas intestinais. Esses voluntários também apresentaram níveis significativamente mais baixos de anticorpos contra o glúten.

 

Temas relacionados:

Prebióticos e probióticos: Tantos benefícios

Bebida rejuvélac: Probiótico natural

Aveia: O cereal que regula o intestino

"Esferas" de cacau, sem açúcar e sem adoçante, sem glúten e 100% vegetariano

Pão branco: Engorda, estupidifica e é um assassino oculto

Sem glúten: Já conhece o grão etíope/miudinho/eragrostis e seus benefícios?

Ingredientes que intoxicam o seu cérebro

Você pode ser alérgico ao glúten e nem sequer desconfia

Intestinos: A relevância do bom funcionamento

Antibiótica: Promove pólipos e o cancro

 

Fontes:

Melanie Jost/Franziska Badenschier

Notícias Naturais

Planet-Wissen

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos biológicos e com vitalidade = saúde !

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates

Países latinos livres de vacinas, de rastos químicos e de pesticidas!

Paracelsus: "O que cura é o amor."



A farmácia é a natureza !


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sabedoria

"Aqueles que pensam que não têm tempo para cuidar de si e da sua alimentação, mais cedo ou mais tarde terão de encontrar tempo para a doença."

Mais sobre mim

foto do autor


Sondagem

Confia nos hospitais?
 
pollcode.com free polls





Mensagens



Biológico, claro!



Nota:

Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

Sabedoria ancestral

Paracelsus: "O que cura é o amor."

fb