Publicidade: Quase toda a mulher sofre de anemia! Se sente cansada, tome Floradix com ferro

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Colesterol "bom" demais é afinal péssimo para a nossa saúde e chega a duplicar/dobrar a taxa de mortalidade!

Foto: pravda-tv

 

Em um contraste impressionante com tudo o que os médicos convencionais nos têm contado até à data, autoridades de saúde e os meios de comunicação vêm divulgando há décadas, pesquisadores da Universidade de Copenhague/Copenhaga - Dinamarca, anunciaram agora que as pessoas com níveis extremamente elevados de HDL - o "bom" colesterol - têm uma taxa de mortalidade muito superior à das pessoas com níveis normais de HDL.

Até agora, a ciência e a medicina afirmavam que, quanto mais colesterol HDL uma pessoa tivesse em seu sangue, melhor. Mas o colesterol HDL pode não ser tão bom quanto cientistas e médicos acreditavam.

Os pesquisadores afirmam que seus resultados devem levar a uma mudança radical na forma como o "bom" colesterol é encarado porque contradizem seriamente o pressuposto de que ter um nível elevado de HDL no sangue é algo estritamente positivo.

 

Colesterol e mortalidade

Os pesquisadores dinamarqueses constataram que as pessoas com níveis extremamente elevados de colesterol bom apresentam maior taxa de mortalidade do que as pessoas com níveis normais.

Para homens com níveis extremamente elevados de HDL, a taxa de mortalidade foi 106% maior do que para o grupo normal; para aqueles com níveis elevados (não extremamente) a taxa de mortalidade foi 36% maior. Para as mulheres com níveis extremamente elevados, a taxa de mortalidade foi 68% maior, não havendo diferenças significativas para níveis não extremos. Na média, a taxa de mortalidade para níveis muito altos de colesterol foi 65% maior.

"Esses resultados mudam radicalmente a maneira como entendemos o 'bom' colesterol. Médicos como eu costumam parabenizar os pacientes com um nível muito alto de HDL em seu sangue. Mas não devemos fazer isto porque este estudo mostra uma taxa de mortalidade dramaticamente maior," disse o Dr. Boerge Nordestgaard, coordenador da pesquisa.

Foram analisados dados de 116 mil indivíduos incluídos no "Estudo do Coração da Cidade de Copenhague" em combinação com dados de mortalidade do sistema dinamarquês de registo civil. Os voluntários foram monitorados por uma média de 6 anos e a amostra registou um pouco mais de 10.500 mortes.

 

Níveis de HDL no sangue

Uma vez que os níveis naturais de HDL no sangue são diferentes para homens e mulheres, os "níveis extremamente altos" foram definidos de forma diferente.

Para os homens, um nível extremamente elevado de HDL foi definido como superior a 3,0 mmol/L (116 mg/dL) e o nível muito alto foi definido na faixa de 2,5 a 2,99 mmol/L (97-115 mg/dL).

Para as mulheres, o nível extremamente alto foi definido como superior a 3,5 mmol/L (135 mg/dL).

Na amostra estudada, 0,4% dos homens e 0,3% das mulheres caíram no grupo com níveis extremamente elevados. E 1,9% dos homens apresentaram níveis muito altos.

O estudo também constatou mortalidade excessiva entre as pessoas com níveis extremamente baixos de HDL no sangue. As pessoas com níveis médios de HDL no sangue tiveram a menor mortalidade. Para os homens, esse nível médio foi de 1,9 mmol/L (34 mg/dL) e, para as mulheres, de 2,4 mmol/L (43 mg/dL).

 

Novas verdades sobre o colesterol

Na verdade, a pesquisa dinamarquesa está em concordância com uma série de outros estudos publicados ao longo dos últimos anos que, aos poucos, estão ajudando a mudar a visão geral sobre o colesterol - tanto o "bom" quanto o "ruim".

Quando o "colesterol bom" pode fazer mal ao coração
"Colesterol bom" pode fazer mal na menopausa
Oxidação de proteína faz colesterol bom fazer muito mal
Colesterol bom: condicionamento físico é mais importante que peso
Questionada relação entre colesterol bom e ataques cardíacos
Descoberto lado mau do "bom colesterol"
Colesterol bom pode virar colesterol ruim
Colesterol bom: não é só a quantidade que importa
Colesterol ruim não é tão ruim quanto se pensa
Mais colesterol bom nem sempre é melhor para a saúde

Foto: pravda-tv

 

Obs.

Se dúvidas houvessem, elas estão a ser cada vez mais dissipadas, afinal os médicos convencionais não fazem parte de um embuste dirigido pelas farmacêuticas?

 

Temas relacionados:

Acácia-branca ou Moringa: Planta medicinal fantástica

Fiasco dos fármacos devido às diferenças entre as cobaias e os humanos

As estatinas (para o colesterol >220) aumentam o risco de Parkinson

Metade de 4000 fármacos avaliados são inúteis

Quando medicina e indústria farmacêutica preferem as doenças

Efeitos secundários qb: Não há diferenças entre os genéricos e fármacos de marca

“A campanha do colesterol é o maior escândalo médico do nosso tempo”

Colesterol: Fármacos são completamente inúteis

As estatinas duplicam o risco de diabetes

As doenças inventadas (pelas farmacêuticas)

 

Fontes:

Diário da Saúde

info.kopp-verlag

Pravda-TV

Zentrum der Gesundheit

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos biológicos e com vitalidade = saúde !

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates

Países latinos livres de vacinas, de rastos químicos e de pesticidas!

Paracelsus: "O que cura é o amor."



A farmácia é a natureza !


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sabedoria

"Aqueles que pensam que não têm tempo para cuidar de si e da sua alimentação, mais cedo ou mais tarde terão de encontrar tempo para a doença."

Mais sobre mim

foto do autor


Sondagem

Confia nos hospitais?
 
pollcode.com free polls





Mensagens



Biológico, claro!



Nota:

Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

Sabedoria ancestral

Paracelsus: "O que cura é o amor."

fb