Publicidade: Quase toda a mulher sofre de anemia! Se sente cansada, tome Floradix com ferro

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 Criança precisa de micróbios, não de antibióticos, para desenvolver a Imunidade, dizem os cientistas

Sim, é claro que é relevante lavar as mãos. O problema é - no ocidente pelo menos - os pais decidiram levar demasiado a sério esse negócio de manter tudo limpo e esterilizado.

A nova ciência mostra que descartar os minúsculos organismos chamados de micróbios com nossos desinfectantes de mãos, sabonetes anti-bacterianos e doses exageradas de antibióticos está tendo um impacto profundamente negativo no sistema imunológico de nossos filhos, diz a microbiologista Marie-Claire Arrieta, co-autora de um livro chamado “Deixe-os comer sujeira: salvando nossos filhos de um mundo ultrapassado”.

Os especialistas acreditam que a limpeza exagerada está contribuindo para uma série de condições crónicas que vão desde alergias a obesidade.

Marie-Claire Arrieta explica que quando nascemos, não temos micróbios. Nosso sistema imunológico está subdesenvolvido. Mas assim que os micróbios entram em acção, eles activam o nosso sistema imunológico para funcionar correctamente. Sem micróbios, nosso sistema imunológico não pode combater bem as infecções.

A hipótese do excesso de higiene pode explicar por que as alergias, bem como a obesidade e a doença inflamatória do intestino e mesmo o autismo, são doenças que estão em ascensão.
A explicação, contudo, não é apenas genética, de acordo com Marie-Claire Arrieta. Ela diz que nossos genes simplesmente não mudam tão rápido. A pesquisa está mostrando consistentemente que a falta de exposição aos micróbios está colaborando com a ascensão destas doenças. Os cientistas consideram que esta exposição no início de nossas vidas é necessária para que nossos sistemas imunológicos sejam treinados adequadamente e, eventualmente, possam evitar o desenvolvimento dessas doenças.

 

Evidências epidemiológicas mostram que as crianças que estão crescendo em um ambiente rural têm menos chance de desenvolver asma. Claro que você não pode simplesmente pegar suas coisas e ir morar numa fazenda. Mas o que isso sugere é que viver em um ambiente menos limpo é realmente melhor.

A mesma lógica se aplica para o beneficio de quem tem um animal de estimação, especificamente um cão. Estudos também mostraram que limpar tudo que entra na boca do bebé aumenta suas chances de asma. A incidência de asma diminui se a chupeta é limpa na boca dos pais.

A higiene é crucial para a nossa saúde, claro. Não devemos parar de lavar as mãos. Mas devemos fazer isto na hora que seja eficaz para a prevenção de doenças, ou seja: antes de comer e depois de usar o banheiro/sanita.

Qualquer outra vez, não é necessário. Então, se seu filho estiver no quintal brincando com terra, você não precisa remover essa sujeira, avisam os cientistas.

 

Deve haver um equilíbrio entre prevenir a infecção, que ainda é uma ameaça real na sociedade, mas também promover esta exposição microbiana que, para os estudiosos, é saudável.

 

Temas relacionados:

27 antibióticos naturais

- Antibiótica: Promove pólipos e o cancro

Receitas deliciosas e rápidas: Como ficar doente

Químicos e fármacos levam a uma feminização dos machos

Os 9 fármacos mais perigosos do planeta

Os antibióticos fazem engordar?

Porque os teus avós não sofriam de alergias, já os netos não podem afirmar o mesmo

Antibióticos danificam o cérebro

As epidemias não desapareceram devido à vacinação

Bactérias cada vez mais resistentes a antibióticos ameaçam planeta

Mito: Vacinação garante imunidade

Antibiótica: Promove pólipos e o cancro

 

Fonte e imagens

Saúde Curiosa

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos biológicos e com vitalidade = saúde !

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates

Países latinos livres de vacinas!

<>


5 comentários

De ciência da treta a 08.08.2017 às 08:35

Capa com glitter para smartphone pode provocar queimaduras
"Chequei a capinha do meu celular e o líquido estava saindo pelas rachaduras", relatou uma das jovens que sofreu lesões por causa do acessório

Por Redação VEJA São Paulo 2 ago 2017, 17h24 - Publicado em 2 ago 2017, 17h13

(Reprodução/Veja SP)
Se você tem um smartphone, grandes são as chances de o aparelho estar protegido por uma capinha, temática ou não. Há a possibilidade de o acessório ser enfeitado com glitter, por exemplo. Pois uma companhia que fabrica o produto para sites como Amazon e outras revendedoras está fazendo um recall da mercadoria. O motivo? O líquido dentro da embalagem pode provocar queimaduras.

A MixBin está pedindo que os consumidores devolvam as “capinhas de iPhone com glitter líquido” desde terça (1º), de acordo com o BuzzFeed. O recall inclui os modelos vendidos para iPhone 6, iPhone 6S e iPhone 7 que foram vendidos de outubro de 2015 até junho de 2017.

Além da Amazon, o acessório também era vendido em lojas como a da própria MixBin, Henri Bendel, Nordstrom Rack, Tory Burch e até na Victoria’s Secret. O preço do produto variava entre 15 e 65 dólares (entre 46 e 200 reais).



“Há 24 relatórios de irritação da pele ou queimaduras químicas em todo o mundo, incluindo dezenove nos Estados Unidos. Um consumidor revelou que está com cicatrizes permanentes por causa das queimaduras e outra pessoa descreveu inchaço na perna, face, pescoço, peitoral, tronco e mãos“, diz um comunicado emitido pela empresa — clique aqui para saber mais.

Apesar do recall só ter sido anunciado pela empresa na terça (1º), nas redes sociais usuários dos produtos já falam sobre as queimaduras desde 2016. É possível encontrar no Twitter, por exemplo, o relato de muitas meninas que foram marcadas por capinhas semelhantes. Foi o que aconteceu com Stephanie, por exemplo: a jovem teve a perna queimada porque estava com o celular no bolso enquanto trabalhava.


“Durante o dia, senti queimação na minha perna, mas eu achei que era apenas uma irritação das lâminas de depilação. Quando cheguei em casa, percebi que a região estava em vermelho vivo“, contou a jovem ao BuzzFeed. A queimadura demorou mais de um mês para curar.



Outra mulher, chamada Melissa, relatou ao BuzzFeed ter comprado a capinha pela Amazon. Ela notou algumas partes quebradiças no acessório e, logo depois, seu dedão começou a doer: “Eu chequei a capinha do meu celular e o líquido estava saindo pelas rachaduras. A substância, seja ela qual for, atingiu meu dedão“, revelou.

Cassy, outra consumidora, revelou que já tinha ouvido os rumores sobre os riscos de usar o acessório, mas ignorou as recomendações. Usou a capinha por um ano sem nenhum problema, até o dia em que ela acordou de um cochilo com o braço “em chamas”: Algumas horas depois, percebi que a queimadura era uma linha reta e inchada. Percebi que ela tinha exatamente o mesmo desenho do meu celular”, disse.



Quando ela pressionou o acessório, o líquido usado para dar mobilidade ao glitter começou a vazar. “Cheguei à conclusão de que adormeci em cima do meu celular, o que fez com que o líquido vazasse no meu braço“, contou. Cassy comprou o acessório na loja de fast fashion Forever 21. É impossível dizer se todas as capinhas foram produzidas.

De Alice no ocidente idiota e decadente a 08.08.2017 às 10:31

O ocidente está cada vez mais idiota e estúpido que nem uma porta.

De Mário Teixeira a 08.08.2017 às 11:30

Concordo totalmente consigo e acrescentaria que o ocidente é desgovernado por doidos varridos, tem uma ciência e cientistas senis, medicina e médicos sado-masoquistas, Justiça e advogados corruptos, Economia e economistas ignorantes, Autoridades incompetentes e Fisco ladrão.

De dina diogo a 08.08.2017 às 15:04

e mesmo estamos sendo regidos por por uma matilha de safados e ladrões

De carne e presunto podres em portugal a 08.08.2017 às 15:42


As quatro pessoas que tiveram contacto com a toxina foram hospitalizadas. Mas a histérica DGS ainda não decretou a epidemia em Portugal?

Segundo a base de dados Pro-MED-mail, que reúne informações sobre doenças infeciosas, seis pessoas foram expostas à toxina, das quais quatro apresentavam sintomas consistentes com o botulismo alimentar.

As quatro pessoas foram contaminadas com as toxinas formadas pelo ‘clostridium botulinum’, após ingerirem presunto contaminado, no decorrer de uma refeição a 19 de julho, lê-se na informação divulgada pelo site.

Os primeiros dois doentes – um homem de meia-idade e uma grávida – foram admitidos no Hospital de Vila Real. A terceira paciente foi hospitalizada perto de Lisboa e o quarto no Centro Hospitalar de São João, no Porto.
Todos estes doentes manifestaram sintomas nas 36 horas após a ingestão do presunto, os quais incluem visão desfocada, boca seca e disfasia.

Um dos doentes apresentou náuseas, vómitos e constipação e um outro diarreia.

A investigação microbiológica confirmou a presença da toxina botulínica B nas fezes e no soro de todos os analisados.

Até sexta-feira passada, todos os doentes tinham tido alta e estavam a ser seguidos em ambulatório, não tendo sido necessário o recurso a antitoxinas ou a ventilação mecânica.

Segundo a DGS, o botulismo alimentar é uma doença grave, de evolução aguda, com sintomas digestivos e neurológicos, resultante da ingestão de diversos tipos de alimentos, contendo toxinas formadas pelo ‘clostridium botulinum’ no próprio alimento.
http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/quatro-casos-de-botulismo-em-macedo-de-cavaleiros-apos-ingestao-de-presunto

Comentar post



A farmácia é a natureza !


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sabedoria

"Aqueles que pensam que não têm tempo para cuidar de si e da sua alimentação, mais cedo ou mais tarde terão de encontrar tempo para a doença."

Mais sobre mim

foto do autor







Mensagens



Biológico, claro!


Blogsportugal


Nota:

Este blogue, não visa substituir o seu técnico de saúde de sua confiança!

Publicidade:

Sente-se cansada? Sofre de anemia? Tome Floradix com Ferro

facebook